O mágico, Federico Fellini

O mágico, Federico Fellini

Postado em:
Blog - Artigos
- 20/03/2020 12:24:13


Federico Fellini nasceu em Rimini, no norte da Itália, em 20 de janeiro de 1920, filho de Ida Barbiani, de origem romana, e Urbano Fellini, com origens camponesas de Gambettola. Ainda no ensino médio, o futuro diretor começou a se destacar como caricaturista, e para promover filmes, o gerente do cinema Fulgor o contratou para desenhar retratos das estrelas. Desde o início de 1938, ele começou a colaborar com "Domenica del Corriere", que publicou vários de seus desenhos, e com a publicação semanal em quadrinhos de Florença "420". No final dos anos 30, ele se mudou para Roma com sua mãe e irmão, porém Fellini continuou na cidade, sobrevivendo vendendo piadas, desenhos animados, e histórias para a revista de humor Marc’Aurelio, assinando seu trabalho como Federico. Ele começou a trabalhar em programas de variedades, escrevendo monólogos para o comediante Aldo Fabrizi e colaborou com programas de rádio, onde conheceu uma jovem atriz, Giulietta Masina, com quem ele se casou em 1943.

Fellini logo se tornou roteirista, contribuindo com os roteiros dos filmes de Aldo Fabrizi. Ele também trabalhou nos roteiros de Roma, Cidade Aberta (1945), com o qual recebeu sua primeira nomeação no Oscar, e logo depois em Paisà (1946), estabelecendo uma amizade com o diretor italiano Roberto Rossellini. Fellini formou uma parceria com o dramaturgo Tullio Pinelli, com quem continuou trabalhando ao longo de sua vida. Sua parceria tornou-se altamente requisitada para trabalhar com vários diretores, como Pietro Germi e Alberto Lattuada, quem queria que Fellini co-dirigisse Mulheres e Luzes (1950), filme produzido por ambos e os deixou cheios de dívidas. A sua estreia sentando-se sozinho na cadeira de diretor foi em Abismo de um Sonho (1952), que também foi um fracasso. Porém seu sucesso como diretor chegou logo no ano seguinte com o seu próximo filme, Os Boas-Vidas (1953), que foi sucesso de público e crítica, venceu o Leão de Prata em Veneza e também lançou a carreira do ator Alberto Sordi. Baseado em sua própria adolescência em Rimini, o filme reflete fielmente o tédio da vida provincial, que o influenciou a ir para Roma.

Em seu próximo filme no ano seguinte, A Estrada da Vida (1954), Fellini retornou ao mundo dos showmen. O longa foi filmado em locais desolados entre Viterbo e Abruzzo, vilarejos e estradas sinuosas destinadas a refletir a aridez moral do personagem Zampanò, lançando alívio à natureza doce e perdoadora de Gelsomina, personagem interpretada por Giulietta Masina. Um sucesso comercial, A Estrada da Vida ganhou um Oscar de melhor filme estrangeiro, e a música tema de Nino Rota se tornou um sucesso. Os produtores se ofereceram para usar Masina como Gelsomina em uma sequência do filme, mas Fellini preferiu dar a ela apenas um pequeno papel A Trapaça (1955). Masina demonstrou sua qualidade de estrela em Noites de Cabíria (1957). Um dos trabalhos mais aclamados e adorados de Fellini, o filme ganhou o Oscar de melhor filme estrangeiro e inspirou a comédia musical da Broadway Sweet Charity.

A Doce Vida (1960) foi a primeira de muitas colaborações com o ator Marcello Mastroianni, ator que passou a representar o alter ego de Fellini em seus filmes. Inspirado nas manchetes dos jornais e em alguns escândalos, o filme indica de maneira abrangente uma Roma dominada por estrelas de cinema estrangeiras, jornalistas corruptos e aristocratas decadentes. Condenada pela Igreja Católica, mas aclamada pelo público, A Doce Vida contribuiu com a palavra ‘paparazzo’ (fotógrafo de imprensa marrom) para o idioma inglês e o adjetivo ‘Felliniesque’ no léxico dos críticos de cinema. Em seguida, ele fez seu primeiro trabalho em cores, dirigindo o segmento Le tentazioni del dottor Antonio para o longa-metragem Boccaccio '70 (1962).

Seu próximo filme, Oito e Meio, ou conhecido como 8½ (1963) está entre os filmes mais elogiados de Fellini e rendeu ao diretor seu terceiro Oscar de melhor filme estrangeiro. Intitulado 8½ pelo número de filmes que Fellini havia feito naquela época (sete longas e dois curtas), mostra um famoso diretor (baseado em Fellini e interpretado por Mastroianni) em paralisia criativa. O longa é considerado hoje por muitos na indústria e comunidade cinematográfica como um dos melhores e mais importantes filmes da história do cinema mundial.

Em 1965, a saúde de Fellini decaiu enquanto ele preparava o que teria sido seu trabalho mais pessoal, The Journey of G. Mastorna, uma visão fantasiosa da vida após a morte, estrelando Mastroianni. Forçado a abandonar o projeto, ele encontrou por acaso uma alternativa para usar suas fantasias com imagens em cores. A tecnologia colocou nas mãos de Fellini as ferramentas para realizar as visões que até então existiam apenas em seus sonhos: "Fecho os olhos, e o festival começa", Fellini escreveu sobre suas imaginações noturnas. Seus cadernos de anotações registrando esses sonhos, ricamente ilustrados, tornou-se sua matéria-prima. Ele abraçou a fantasia com mais entusiasmo em Julieta dos Espíritos (1965), com Masina como uma burguesa assombrada pelo sobrenatural.

Agora estabelecido como um talento de sucesso internacional, Fellini utilizou os mitos de Roma, empregando uma visão do inconsciente obtido através do estudo de seu teórico psicanalítico preferido, Carl Jung. Os distribuidores passaram a incorporar o nome de Fellini nos títulos dos filmes, significando a natureza única de sua visão. Seu próximo longa-metragem, Satyricon de Fellini (1969), promovido com o slogan “Antes de Cristo. Depois de Fellini”, comemorou o movimento hippie, que ele encontrou pela primeira vez nos Estados Unidos.

Em 1970, Fellini lançou o filme de docuficção, e considerado por muitos um dos primeiros mocumentários, chamado Os Palhaços, sobre o fascínio humano por palhaços e circos. Em Roma de Fellini (1972), o diretor aplicou as ferramentas da fantasia à capital nacional. Para Amarcord (1973), que consagrou a Fellini o quarto Oscar de melhor filme estrangeiro de sua carreira, ele recriou Rimini em tempo de guerra nos estúdios Cinecittà, em Roma, para uma lembrança nostálgica da adolescência sob fascismo, que restaurou a excentricidade de sua primeira vida que havia sido omitida em Os Boas-Vidas (1953). Embora o público tenha considerado o filme autobiográfico, a maioria de seus incidentes veio da vida mais extravagante de um amigo de infância.

As demandas do público internacional dificultaram os filmes posteriores de Fellini. Produtores com orientação comercial, em particular o associado de longa data Dino De Laurentiis, aconselharam um compromisso com Hollywood. Embora ele quisesse Mastroianni, Fellini foi convencido a escalar o ator americano Donald Sutherland como Giacomo Casanova em Casanova de Fellini (1976).

Os historiadores de cinema consideram Casanova de Fellini como a última de suas grandes criações pessoais. A exigência de produtores para o mercado internacional, um mercado americano decrescente para filmes estrangeiros e a ascensão de um público jovem impaciente com assuntos desafiadores possivelmente marginalizaram todos os seus próximos e últimos filmes como Cidade das Mulheres (1980), E La Nave Va (1983), Ginger e Fred (1986), Entrevista (1987) e A Voz Da Lua (1990), seu último longa-metragem. Unificados apenas pelo seu talento para o fantástico, os filmes refletem com ironia tipicamente felliniana uma variedade de tópicos pós-modernos, como o papel do homem em uma sociedade cada vez mais feminista, os efeitos de caráter infantil da televisão, o afastamento da criatividade artística da realidade política e a crescente homogeneização da cultura popular. Ao mesmo tempo, Fellini, aparentemente capaz de se convencer de quase tudo, também dirigiu comerciais de televisão para Barilla Pasta, Campari Soda e Banco di Roma.

Fellini faleceu no dia 31 de Outubro de 1993, aos 73 anos, após um ataque cardíaco que ele sofreu algumas semanas anteriores e um dia após a comemoração de 50 anos de seu casamento com Masina. O serviço memorial no estúdio 5 em Cinecittá teve a presença de mais de 70 mil pessoas.

Embora alguns críticos tenham empregado ‘Fellinian’ como termo de desprezo, o termo se tornou com um tempo uma representação positiva de seu estilo e sua visão, e contribuiu para garantir o lugar de Fellini na história do cinema. Ele perseguiu um cinema pessoal que oferecia uma alternativa ao padrão comercial. Misturando sonho e realidade, autobiografia e fantasia, e usando seus próprios problemas criativos e pessoais como objeto, Fellini também foi pioneiro em uma categoria de cinema psicanalítico que inspirou muitos e que continua a ser explorado. Seus filmes foram nomeados 23 vezes na premiação da Academia do Oscar e ganharam oito. Fellini também recebeu um Oscar Honorário em 1993, um Leão de Ouro Honorário por sua carreira no Festival de Cinema de Veneza em 1985 e dezenas de prêmios dos festivais de cinema mais prestigiados do mundo.


Se você quiser conhecer mais sobre Fellini e seu cinema, você pode conferir a nossa box inteiramente dedicada ao cineasta italiano disponível em nossa loja: 
https://rosebud.club/produto.asp?produto=67

Categorias

Fique informado!

+ Posts

Edward Yang, O Maestro de Taiwan
Edward Yang, O Maestro de Taiwan
Ang Lee, O Taiwanês Que Conquistou O Ocidente
Ang Lee, O Taiwanês Que Conquistou O Ocidente
Hou Hsiao-hsien, O Mestre Taiwanês
Hou Hsiao-hsien, O Mestre Taiwanês
Cineastas Sul-Coreanos - Parte 2
Cineastas Sul-Coreanos - Parte 2
Cineastas Sul-Coreanos - Parte 1
Cineastas Sul-Coreanos - Parte 1